sábado, 17 de fevereiro de 2007

PÉTALAS DE UMA SINFONIA INACABADA



PÉTALAS DE UMA SINFONIA INACABADA



Numa esquina qualquer
murmura a voz
acariciando a ouvidos,
aprofunda sentidos
na memória povoada de nós.

Remexe loucos beijos partidos..

Mas o Dédalo se esquiva
do estrume em labirinto
da noite escura, a lembrança
insiste em viver sentindo mágico perfume
de desejos que persistem no coice
ou na chuva que um dia fui bendizer

Acinzentado instante come a boca
que um dia foi tua,
pisa o desejo que te dei,
abre o porta jóias e encontra
pérolas em de composição
como sinfonia inacabada.

Porque morreu ali na mesma esquina
atravessada por uma rajada.



** Gaivota **&Michele Sato
Fevereiro 2007.



************************************************************************************

2 comentários:

além mar peixe voador disse...

surpresa, bela e talentosa paceria.
abraços poéticos

Ana Maria disse...

Porque morreu ali na mesma esquina
atravessada por uma rajada

Linda e triste...
Beijos