domingo, 25 de março de 2007

RASGO PALAVRAS ROUCAS



UM POEMAS DE DUAS AMIGAS
( Em convulsivo ímpeto Bretoniano..)



RASGO PALAVRAS ROUCAS





O vento caía no precipício.
Fundo, fecundo, moribundo...
a queda não foi meramente trágica
sorvia uma beleza ainda inacabada.


A lágrima da ostra rolou.
Pensei..
Por que ferruginosa vara
crava o coração verde luz
deste planeta azul?
Por que a terra seca
rasga palavras roucas
incendiando o
pulmão?


Que paradoxo seria este
Que mostra crueldade
Mas ao mesmo tempo
Grandiosidade.


Incomensurável...


O ar no mel
de abelhas nascido
da flor..
Sou Lâmina fina
que atravessa dor,
refaz-se
e lambe sorrisos
em bico de beija flor.


A brutalidade sorvida pela seiva
Transformando vento em brisa
Tocava perfume e delicadeza
O que um dia disse Breton:


"A beleza deve ser convulsiva - ou não será beleza".




Poema em parceria Ivy Gomide & Michele Sato



.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.--.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

2 comentários:

além mar peixe voador disse...

Excelente !
Parabéns Gaivota por trazer
este poema ao teu espaço .
Abraço brindando as mais belas inspirações ,
virgínia

Analuka disse...

Maravilhoso este poema! Vivo e luminoso, palpitante como as almas das autoras... Abraços azuis!