quarta-feira, 21 de março de 2007

SEMI ABERTA PORTA DO SOLUÇO



SEMI ABERTA PORTA DO SOLUÇO





Há uma porta semi-aberta
no peito da agonia.
Sempre que a luz se cobre em negro véu
chove torrencialmente
canetas de mãos vazias.
Uma a uma, enfileiradas
não escrevem palavras
porque agonia que se preza
dorme dentro de algum soluço
disforme e inchado em pranto abafado.
Nos gritos e silêncios
as canetas tilintam..
Verbetes escoam à luz do dia e
acordo em mim..
Cai o véu; sagrado e desperto.
Profano o templo
iluminado em falsetes que Dó não comporta..

Há uma porta,
agora aberta.

Não há mais pranto que inunde
soleiras e janelas..
Nem soluços que ecoem
nesta
alma pura.



**Gaivota** & Bia Marquez


************************************************************************************

2 comentários:

Ana Maria disse...

Linda poesia...
Fico admirando!!!
Beijos...
Ana Maria

hsbrigida888 disse...

Seu blog é seu livro voando.
Suas asas abertas para o mundo.
Abraços,do Ronaldo Franco.
(Belém-Pará-Brasil)